1 a 3 anos – 8 dicas para lidar com os desafios dessa fase

picky-eater-image

1 a 3 anos – 8 dicas para lidar com os desafios dessa fase

Quem tem filhos nessa idade (como eu!) sabe que essa fase pode ser bastante difícil, tanto para a criança quanto para os pais.
Para nós, é um misto de frustração, stress e desafio. Tem dias bons e dias nem tanto.

Para passar por isso tudo sem ficar maluca, é fundamental entender o que acontece na fase de desenvolvimento em que eles estão, porque esse entendimento é o que vai nos ajudar a lidar com as mudanças que virão.

Uma área que pode sofrer um grande impacto nessa fase é a alimentação.
Como o crescimento físico desacelera comparado ao primeiro ano, muda também o apetite. Tem dias que eles comem feito ‘gente grande’ e tem dias que não comem nada. Mudam de vontades de uma hora pra outra. O que antes era a comida preferida, agora não gostam mais. Antes, ávidos experimentadores, agora querem comer sempre a mesma coisa (da mesma forma que querem assistir sempre a mesma coisa!). E aí a gente se preocupa.

Se você for começar a pesquisar e ler por aí sobre as dificuldades em fazer seu filho comer vai encontrar muita coisa. E vão rotular seu filho de várias coisas também: enjoado, difícil, mimado… Eu prefiro dizer que seu filho não é enjoado pra comer, ele está apenas exercendo suas novas habilidades 😉. Lembre-se, tudo é fase e acontece por uma razão!

Então, antes de sair rotulando seu filho (ou deixar que outros o façam), vamos entender o que acontece?

1 a 3 anos – O que acontece nessa fase

 

Para a criança, essa é uma fase de desenvolver a independência e lidar com os problemas emocionais que ela traz. É a hora de testar os limites (delas e nossos!) e de entender o auto-controle.

Um período de esforço extremo onde eles estão aprendendo a se entender como indivíduos separados dos pais (autonomia) e também a como reagir e responder ao retorno que recebem do seu entorno (culpa e dúvida).

E toda essa complexidade de emoções, sentimentos, comportamentos e aprendizados pode influenciar a forma como se eles alimentam.

As mudanças mais comuns que podem ocorrer nessa fase em relação à alimentação são:

– Recusar alimentos que antes eram os preferidos
– Medo ou recusa em provar alimentos novos
– Escolher uma ou duas coisas e comer só aquilo
– Pular refeições

E as causas para esse comportamento são, se a gente pensar bem, bastante óbvias depois que a gente entende a fase de desenvolvimento em que eles estão:

EXERCER CONTROLE  – TESTAR LIMITES – SE SENTIR SEGURO

 

E como lidar com isso tudo?

Aqui tem 8 DICAS que vão te ajudar!

(As dicas fora preparadas pela nutricionista americana especializada em nutrição infantil Jill Castle)

1. Não foque em uma única refeição. Preste atenção e faça um balanço de como foi a alimentação ao longo da semana.

2. Controle suas reações. Nem sempre é fácil, mas manter-se neutra é melhor do que expressar sua frustração/stress ou satisfação (às vezes exagerada) com a situação.

3. Rotina e agenda. Da mesma forma que estabelecer uma rotina para a hora do sono ajuda no processo, ter hora certa e rotina para a alimentação vai ajudar seu filho a sentir-se seguro e no controle e, quem sabe, evitar alguns dos comportamentos que a gente comentou.

4. Não se preocupe com a refeição que foi ‘pulada’. Foco na próxima! Pode ser uma refeição completa ou só um lanchinho, mas ele vai comer mais tarde.

5. Nada de oferecer só o que ele come! Não caia nessa armadilha. Você está, na verdade, incentivando o hábito ao invés de quebrá-lo. Use o alimento conhecido como suporte (segurança) misturado com o novo (desafio).

6. Não interfira no processo. Tentar ajudar com a colher ou limpar o rosto são apenas formas de distração. Esse é um ótimo momento para que eles desenvolvam sua independência. (Eu não sei na sua casa, mas por aqui o que eu mais ouço é “Eu, sozinha!”)

7. Divisão de Responsabilidades. Esse é um ótimo momento para usar a regra da Divisão de Responsabilidade na Alimentação: os pais decidem ‘o que’, ‘quando’ e ‘onde’ comer, e os filhos decidem ‘o que’ (do que foi oferecido) e ‘quanto’ querem comer. (Já falamos sobre isso aqui)

8. Ofereça escolhas, mas não muitas. E tente manter suas opções dentro do mesmo grupo de alimentos: banana ou pera, macarrão ou arroz. Poder escolher é a forma de controle que eles estão buscando exercer.

 

E vamos em frente! Afinal, dizem por aí que tudo é fase e que elas passam! rsrsrsr

 

Fontes:

Fases de Desenvolvimento Psicosociais – Erikson’s Psychosocial Stages of Development
Dicas adaptadas do Blog ‘Just the Right Byte’ –  Toddler Development: What to Expect and 10 tips to manage Nutritions
Babycenter – How to Handle a Picky Eater e Food Jags

No Comments

Post A Comment