Alimentação: os 3 erros mais comuns que cometemos

brocoli_logo

Alimentação: os 3 erros mais comuns que cometemos

Quando nos tornamos pais, além de mudarmos em muitos sentidos, temos em nossas mãos a grande responsabilidade de criar nossos filhos. E essa é uma jornada de tentativas, erros e acertos. Muitos desses erros acontecem não porque não somos bons pais, mas em consequência da falta de informação.

Por isso hoje vamos falar sobre os 3 dos erros mais comuns que cometemos em relação à alimentação das crianças e também sobre como melhorar – ou consertar – essas atitudes.

1. INTERFERIR NA ALIMENTAÇÃO
Só mais um pedacinho, olha o aviãozinho, se você comer tudo vai ganhar sobremesa… ou: já comeu demais, chega! Quem nunca?
PORQUE ISSO É UM ERRO?
As crianças nascem com a habilidade de saber quando estão satisfeitas. Desde bebezinhas, param de mamar quando a fome já foi suprida. Já maiorzinhas, tem necessidades diferentes à cada dia, às vezes comem mais e outras vezes não comem nada. Quando interferimos, pedindo para que comam mais ou menos, estamos na verdade ensinando nossos filhos a não confiarem nos sinais do próprio corpo.
COMO CONSERTAR?
Existe uma regrinha ótima chamada Divisão de Responsabilidade na Alimentação (criada por Ellyn Satter) e funciona assim: os pais decidem ‘o que’, ‘quando’ e ‘onde’ comer, e os filhos decidem ‘o que’ (do que foi oferecido) e ‘quanto’ querem comer. Assim eles aprendem a ouvir e respeitar o corpo e a comer de acordo com a necessidade, além de se sentirem parte das decisões (muito melhor do que ouvirem ‘não’ o tempo todo!)

 2. FORÇAR LEGUMES E VERDURAS
Muitas vezes acabamos forçando a barra para fazer com que as crianças comam seus vegetais, por medo de que talvez elas não estejam consumindo todos os nutrientes que precisam para o seu desenvolvimento.
PORQUE ISSO É UM ERRO?
A grande maioria das crianças rejeita legumes e verduras porque eles tem um sabor amargo muito acentuado para elas, mas essa percepção diminui com a idade. Ao pressionar as crianças para que comam, estamos incentivando um sentimento de aversão que, aos poucos, acaba tomando conta dessa relação das crianças com os legumes e verduras. Melhor é deixar que elas, aos poucos, se acostumem aos novos sabores.
COMO CONSERTAR?
Se as crianças têm uma alimentação equilibrada, com uma boa variedade de frutas e outros grupos alimentares, provavelmente não terão deficiências nutricionais por recusarem aquele brócoli. O segredo é variar a forma como os oferecemos (crus, cozidos, assados, misturados no arroz, no omelete, etc) e não escondê-los, nem disfarçá-los. Uma hora ou outra vai funcionar 🙂

3. TENTAR CONSERTAR O QUE NÃO ESTÁ ESTRAGADO
A falta de informação sobre o que esperar em diferentes fases do desenvolvimento leva alguns pais a assumir que qualquer mudança de comportamento em relação à comida é um problema que precisa ser consertado. Um bebê que não quer comer purê, uma criança que se recusa a comer ou não gosta de uma coisa ou outra, um pré-adolescente que quer comer a mesma coisa que seus amigos ou um adolescente que quer fazer dieta são alguns exemplos de ‘problemas’ que não são problemas.
PORQUE ISSO É UM ERRO?
Todos esses exemplos fazem parte do desenvolvimento normal das crianças, são apenas fases e precisam ser encaradas como tal. Em vez de tentar consertar, precisamos nos informar à respeito, tentar entender e trabalhar juntos para passar por elas.
COMO CONSERTAR?
Estar preparado para cada fase é fundamental, levando em consideração que cada criança se desenvolve num ritmo próprio. Para bebês, ofereça comidas apropriadas e deixem com que descubram que tipo de textura preferem. Depois dos 2 anos de idade o crescimente desacelera e eles não precisam mais de tanta comida. Ofereça opções saudáveis e deixe com que eles escolham (a regrinha da ‘Divisão de Responsabilidade’). Os pré-adolescentes e adolescentes precisam ‘fazer parte’ da sua turma e, se isso envolve comer a mesma coisa e fazer dieta, procure compreender e conversar abertamente à respeito para evitar futuros problemas.

 

 

Fontes:

http://www.positiveparentingsolutions.com/parenting/5-of-the-most-common-and-fixable-feeding-mistakes-parents-make

http://www.brasilpost.com.br/maryann-jacobsen/briga-pra-comer_b_4776852.html

3 Comments
  • Renata Aspesi
    Posted at 19:55h, 16 December Reply

    Post super útil pra mim. Tem vezes que fico angustiada com o limite na questão forçar a barra para que meu filho coma as verduras por exemplo…

    • Kids & Kitchen
      Posted at 20:00h, 16 December Reply

      Relaxa Re! Continua oferecendo, mas sem fazer pressão… leva ele na feira pra escolher alguma coisa, pede ajuda pra lavar a salada, cortar o tomate, quem sabe ele se interesse mais por ter participado 🙂

  • Kids & Kitchen | 1 a 3 anos – 8 dicas para lidar com os desafios dessa fase
    Posted at 10:41h, 15 April Reply

    […] 7. Divisão de Responsabilidades. Esse é um ótimo momento para usar a regra da Divisão de Responsabilidade na Alimentação: os pais decidem ‘o que’, ‘quando’ e ‘onde’ comer, e os filhos decidem ‘o que’ (do que foi oferecido) e ‘quanto’ querem comer. (Já falamos sobre isso aqui) […]

Post A Comment